Dois brasileiros darão a volta ao mundo de patins

Quem nunca sonhou em dar a volta ao mundo? E de bicicleta e patins? Você vai conhecer agora dois brasileiros que resolveram realizar este sonho, fizemos uma breve entrevista com eles, pra saber como será esse projeto e como acompanhar essa incrível jornada.


Perfil dos aventureiros

Felipe fogaça 22, começou a patinar com 17 anos, começou pelo slalom, participou de alguns campeonatos. Depois começou fazer downhill e urban, porem urban é o que pratica com maior frequência, embora ainda pratique slalom.


Leoni Herbet, tem 29 anos, patina há 18 anos na modalidade street e agressive, nunca gostou muito de competir e sim patinar pra se sentir bem, já deu aula de patins e sempre procurou ajudar a galera. Quanto a bicicleta aos 14 anos fez uma viagem de Suzano até Bertioga com um amigo e então descobriu que tinha esse potencial pra viajar e começou desde então ir pedalar em outras cidades e pedala uma média de 80km a 100km no  final de semana por lazer.


Como surgiu o projeto de dar a volta ao mundo?

Felipe: O projeto começou há 2 anos atrás, eu fiz faculdade de direito porém nunca fui muito encantado por essa profissão, e há 3 anos atrás comecei a dar aula de patins, me chamaram pra fazer eventos e dar aula, hoje em dia sou instrutor de patinação na Decatlhon e sempre tive um sonho de viajar, todo o dinheiro que ganhava eu guardava para essa finalidade. Há 2 anos eu pensei em dar uma volta pela Europa assim que eu acabasse a faculdade, seria só Europa inicialmente eu já tinha feito o roteiro inteiro e assim que eu voltasse eu já tinha mais dois roteiros programados.


Porém há cerca de 1 ano eu pensei em juntar tudo, então comecei a fazer um roteiro bem bacana, inicialmente seriam 5 anos, mas fui adaptando por causa do visto em alguns países, então de 5 anos foi para 4 anos e 2 meses, estava com o projeto já pronto eu pretendia ir  sozinho, mas se fosse pra ter alguém, que fosse muito meu amigo e pudesse me ajudar no projeto então falei com 2 amigos meus, um deles tem filho e não daria e outro foi o Leoni que convidei em agosto de 2016 e quando convidei já pensei que eles não aceitariam porque é algo que muda a sua vida, mas para minha surpresa acabou que ele me mandou um áudio falando que aceitaria e que esse projeto veio em uma hora muito boa da vida dele e que adoraria participar, então nós nos juntamos pra começar fazer todo o planejamento.

E como vai funcionar o projeto?

Felipe: O projeto vai funcionar da seguinte maneira, serão 50 meses, sairemos do Brasil em 10 de  fevereiro de 2018, e nesses 50 meses vamos passar por quatro continentes (América, Europa, Ásia e Oceania) somando ao todo 46 países.


América do Sul ficaremos por volta de 11 meses, em seguida pegaremos um avião da Colômbia para América do norte e passaremos por EUA e Canadá mais 12 meses, em seguida partiremos para Europa mais 12 meses de viagem, na sequência iremos pra Ásia mais 9 meses e por fim 6 meses passando por Austrália e Nova Zelândia na Oceania.


Vocês terão ajuda financeira de alguma empresa? Alguém vai patrocinar vocês?

Felipe: Quanto à parte financeira, cada um vai ter uma forma bem diferente de renda para se sustentar na viagem, o Leoni tem um restaurante e vai render certa quantia por mês, e eu guardei um dinheiro que vai me render mais ou menos uns 400 reais por mês e ele também o mesmo valor, juntos vamos ter 800 reais dessa quantia  vamos utilizar principalmente para alimentação e teremos que economizar pelo menos uns 300 reais por mês pelas viagens de avião que são poucas. A gente pretende ter ajuda financeira de patrocínio, e agora que colocamos nas redes sociais sobre o projeto é que vamos começar a procurar e mandar o projeto para empresas, se caso não conseguirmos, a viagem vai acontecer do mesmo jeito.

De que forma vai funcionar? Vocês vão de bicicleta por alguns países? Vão fazer vídeos? Dar dicas?

Felipe: Vamos viajar de bicicleta totalmente, por exemplo, na América do sul vamos ficar esses 11 meses que falei andando de bicicleta e a partir do momento que chegarmos a Colômbia é que  vamos pegar o avião para o EUA e assim acontecerá dos EUA para Europa e assim sucessivamente.


Vamos fazer 3 tipos de filmagens a primeira delas vai ser de patins nós patinando nas cidades, o nome do vídeo será freeskate, e todas as cidade que nós acharmos bacana fazer uma filmagem somente de patins então faremos. Também outro tipo de vídeo vai ser o guia será pra galera que quer viajar, tanto pra quem faz ciclo viagem ou pra quem quer viajar somente, falaremos a respeito de como fazer um roteiro ou quanto vai gastar, como é fazer couchsurfing, entre outras questões, tudo isso vai ter no guia.


O terceiro tipo de vídeo vai ser os episódios que mês a mês a gente vai mostrar um acumulado do que aconteceu em nossa viagem, as pessoas que conhecemos os lugares por onde passamos.


Vocês vão se hospedar onde? Na casa de amigos patinadores ou ciclistas?

Felipe: E quanto a hospedagem vamos fazer couchsurfing que é a rede social que você fica na casa de pessoas gratuitamente (https://www.couchsurfing.com), também Warm Showers (https://pt.warmshowers.org) que é uma rede social de ciclista, na casa de amigos e família , eventualmente se conhecermos pessoas em algum lugar e receber o convite de ficar na casa delas, hostel seria em ultimo caso se precisar, pois queremos economizar dinheiro. 


Vocês tem uma média de dias em cada cidade de cada país?

Felipe: A média de dias de cada lugar a gente tem mais ou menos, mas iremos pelo nosso feeling de achar que está bacana, mas a gente pretende em 1 mês pedalar metade desse mês e a outra metade conhecer as cidades que estão em nosso roteiro.


Vocês tem algo planejado se acontecer algum imprevisto? Exemplo: doença, falta de dinheiro, acidente, etc..

Felipe: Essa é uma pergunta bem bacana, porque na hora do planejamento é o que mais nos preocupamos, questão de falta de dinheiro como falei eu tenho um dinheiro guardado e me gera uma renda de aplicações financeiras que eu fiz, caso precise dai posso pegar o  rendimento e mais um pouco do que foi aplicado.


Questão de doença e acidente é a questão mais complicada pra gente pelo fato do seguro viagem ser algo caro, embora tenha uns seguros bem bacanas para longo prazo, ainda assim é algo muito caro. Essa é uma questão primordial que estamos vendo para o patrocínio. Mas caso não tivermos vamos ter que reduzir um pouco nossos gastos para ter o seguro.


Conheça um pouco mais do projeto no vídeo abaixo, não esqueça de se inscrever no canal.

Para saber mais sobre este projeto acesse as redes sociais clicando abaixo.

https://www.facebook.com/10rodas

https://www.instagram.com/10rodas

3 visualizações

Parceiros:

download.png

THAYNE

YAMAMOTO

inline-certification-program.png

2019 | Adreninline | São Paulo - SP